sexta-feira, 17 de julho de 2015

Conto "Indiferença"


Era quase meio dia, o sol brilhava no horizonte. Eu olhava pela janela do carro enquanto minha mãe esperava o sinaleiro abrir. Naquela manhã, eu e minha mãe fomos até o centro da cidade comprar um vestido para eu ir a uma festa. E após as compras lá estava eu, filosofando na janela.
A primeira imagem que vi foi de uma cidade poluída e cheia de prédios, era feia. Mas de tudo o que mais chamou a minha atenção foi uma família. O que ela tinha de diferente?Era uma família- pai, mãe e filha- de mendigos. Eles não estavam tristes, pelo contrário, sorriam. Apesar de sujos e com vestes rasgadas não senti pena, o que senti foi raiva, raiva dessa sociedade injusta.
O pai mostrou uma sacola plástica. A face da filha estava radiante. A mãe abriu a sacola e dela retirou um pão, o qual entregou nas pequenas mãos da menina, que devia ter seus 8 anos. A garotinha apertou trêmula o pão e deu a primeira abocanhada. Eu era a única pessoa que os observava.
Como uma pessoa podia viver daquela forma?- pensei, porém não obtive resposta. Naquele momento, uma criança carregava lixo reciclável em um carrinho. Era apenas um menino, que deixou seu carrinho cair e viu boa parte do lixo tombar. A menina largou o pão imediatamente e foi ajudar o jovem.
Porém, todos os outros que passavam na rua riam e conversavam, como se só existisse seu próprio mundo. Foi então nesse dia quando conclui como sempre haverá injustiças enquanto o ser humano for egoísta. Diga-se ainda, enquanto ignorarmos tudo e todos e viver apenas para nós mesmos.
Giovana de Carvalho Florencio





3 comentários:

  1. Gostei muito do post.. Retratou bem a situaçao atual da sociedade.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir